sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Filme Thor - O Mundo Sombrio - Resenha


Olá, pessoal!

Tudo bem com vocês? Sei que o blog está abandonado ultimamente. Eu não estou postando porque não tenho tempo, estou no período de aulas do meu curso de Jornalismo (que, por azar, teve uma baita greve e as férias foram adiadas para fevereiro! :o ) e a Kamnuminas também está afastada por motivos pessoais. Porém, nesse mês, como devem saber, houve o acontecimento mais esperado desde Os Vingadores foi lançado Thor – O Mundo Sombrio nos cinemas, e eu, como toda boa fangirl integrante do Loki’s Army, não pude deixar de assistir esse filme, e ainda fiz uma resenha sem spoilers e sem surtos fangirls sobre ele. Segue o texto abaixo, acompanhado por alguns gifs do Loki nosso divo aqui do blog, caçados no Tumblr. Espero que gostem e comentem.

Beijos e até a próxima! ;)



Thor – O Mundo Sombrio

Dando continuidade à Fase 2 da Marvel, iniciada em abril desse ano pelo filme Homem de Ferro 3, o longa Thor – O Mundo Sombrio, lançado no Brasil em 1º de novembro de 2013 e com direção de Alan Taylor, traz novamente o universo fantástico do Deus do Trovão apostando mais uma vez na fórmula que consagrou o seu primeiro filme em 2011: uma mistura de drama, ação, fantasia, humor e muitas referências às Histórias em Quadrinhos do seu protagonista.

A narrativa do novo filme dá seguimento ao final visto em Os Vingadores (2012). Thor (Chris Hemsworth) retorna à Asgard para estabelecer a paz entre os Nove Reinos, em conflitos por causa da destruição da ponte/portal Bifrost, provocada no primeiro filme pelo irmão adotivo do protagonista, Loki (Tom Hiddleston), que também foi levado de volta à Asgard para o julgamento de seus inúmeros crimes. Quando a ordem parecia enfim estar estabelecida, Jane Foster (Natalie Portman), a cientista humana e interesse amoroso de Thor, em suas buscas por fenômenos físicos singulares na Terra que possam levá-la ao encontro do Deus do Trovão, acaba despertando acidentalmente uma antiga força maligna, os Elfos Negros, liderados por Malekith (Christopher Eccleston).

Poster oficial do filme

Poster oficial do filme (ou o verdadeiro motivo para se assistir Thor 2 :p )

Poster oficial do filme, com o vilão Malekith


Buscando vingança por uma guerra perdida há muito tempo contra os asgardianos, o vilão provoca uma série de eventos trágicos, visando conseguir a energia destrutiva (um elemento chamado Éter), que se encontra em poder de Jane, para mergulhar todo o Universo nas trevas. Assim, para impedir a extinção dos Nove Reinos, incluindo Asgard e Midgard (a Terra), Thor terá que unir forças com Jane e Loki (apesar deste não ser confiável), e juntos tentarem barrar os planos sombrios de Malekith.

Thor, Jane e Loki (observe para quem os irmãos estão olhando)

"Você ainda não confia em mim, irmão?"

Loki e Thor

"Isto é por Nova York!" ou Jane cumprimentando Loki (bitch, please!)


Graças a essa trama, o filme pôde se aproximar mais do universo dos quadrinhos do Deus do Trovão, explorando um pouco de cada um dos Nove Reinos e também da mitologia nórdica, agradando dessa forma os fãs das HQ’s. O design e os efeitos gráficos foram papel decisivo nessa caracterização dos diferentes mundos. Apesar disso, os telespectadores mais cinéfilos acabam tendo uma sensação de déjà vu, pois os cenários lembram muito os de outros filmes famosos, como O Senhor dos Anéis, Prometheus e até Harry Potter. Tudo isso somado a uma versão em 3D que não acrescenta quase nada ao filme e uma narração inicial meio infantilizada.

Loki

Loki divando  *-*


Além de alguns eventos e coincidências extremamente oportunas para a narrativa ser coesa, a caracterização e as motivações do vilão principal são abstratas e estereotipadas, constituindo outro ponto fraco do filme. Mas talvez a falta de profundidade de Malekith tenha sido intencional, para dar destaque a Loki, a verdadeira estrela desse longa. Tom Hiddleston, que já havia impressionado o público com sua interpretação astuta e convincente do Deus da Trapaça em Thor e Os Vingadores, agora atinge o seu auge. Mostrando múltiplas facetas do personagem, desde a extrema dissimulação e comicidade até um lado “humano” e sincero (o amor de Loki pela sua mãe adotiva), ele é o responsável pelas principais reviravoltas da narrativa e por seu desfecho surpreendente (e talvez até um pouco esperado, devido à natureza e complexidade do personagem).

Esses olhos...  *-*

Tom Hiddleston esbanjando charme, OMG


Se, por um lado, a história se desenvolve brilhantemente em torno da dinâmica entre Thor, Loki e Jane (e há até uma certa química inesperada entre esses dois últimos), os quatro guerreiros asgardianos amigos de Thor, que tiveram papel e importância fundamental no primeiro filme, são deixados um pouco de lado. Com certeza isso foi necessário para um maior desenvolvimento de outros personagens secundários da trama, havendo espaço até para uma participação especial de outro Vingador no filme. As sequências de ação, tecnicamente bem elaboradas, são entremeadas com um humor leve, que dá fluência à narrativa.

Loki olhando para Jane, huuum...  :p

"Eu gosto dela", OMG

#todasquerem ser a Jane para ser agarrada desse jeito, LOL

Loki protege a Jane duas vezes no filme!  :o
(As Lokane's piram!)


Com o objetivo de baixar ao máximo a classificação etária do longa, as cenas de violência foram bem contidas, não exibindo nenhuma gota de sangue na tela. Isso também pode estar relacionado à diminuição do romantismo no filme (ou talvez porque simplesmente não haja muita química entre Thor e Jane). O herói, por sua vez, está mais amadurecido, mas sua personalidade e suas ações ainda seguem um pouco estereotipadas.

Ú.ú, poderoso, kkkk

Owwnn  *-*


Concluindo, apesar de algumas falhas, Thor – O Mundo Sombrio não deixa de ser uma excelente opção de entretenimento e continuação da saga do Deus do Trovão. E, de quebra, em sua cena pós-créditos ainda se estabelece um gancho para um dos próximos e mais esperados filmes da Marvel em 2014, Guardiões da Galáxia.

Loki aprova o filme, principalmente o final!

Trailer 2 legendado - Thor - O Mundo Sombrio
Ou assista clicando aqui.

7 comentários:

  1. Muito bom, já estou aprendendo o que é uma verdadeira resenha!

    ResponderExcluir
  2. Loki tem uma química com Jane por falta de opção kkk, coitado, ela é chata e rasa mas é bonitinha e meiga, antes ela q uma bitch peituda e popozuda (kkkk), certamente se Encantor/Amora aparecer nos filmes vai ser uma criatura assim, e vai fazer par com Loki(Não!).O final achei q era besteira do filme, tipo aqueles q fingem q o vilão vai voltar, pq eu tinha perdido a sena do Loki/soldado, só depois q fui ver a bendita sena.
    Como a morte de Maleckt foi tosca, uma das piores partes, e as inúmeras partes de humor anti clima, até algumas foram engraçadas mas só pelo Loki mesmo, mas se formos pensar de forma racional(pode fazer isso enquanto se vê esse filme?) depois daquela situação da mãe deles, depois da conversa entre Thor e Loki na sela, é muito nosence aquela piada enquanto os dois andavam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, falta de opção mesmo, precisamos de mais deusas em Asgard, né?

      Excluir
  3. Aí quem me dera ser a Jane pra ser agarrada por esse deusooo
    E eu nem vi os vingadores, só vi Thor e Thor O mundo sombrio, e só assisti pq eu ouvi falar do Loki em algum lugar , assisti alguns videos dele no YouTube e já me apaixonei, tipo amor a primeira vista , OMG que inveja da Jane essa mulher é mto sortuda!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também tenho inveja da Jane por ela ter sido agarrada pelo Loki, hahaha :p

      Excluir
  4. Natalie Portman era divino como sempre. Uma das grandes atrações de "Thor" é uma fita que foi recuar mais do que o esperado do padrão habitual de produções da Marvel, mas ser diferente não significa ser melhor. Isso não quer dizer que considera que "Thor" é um filme ruim, mas uma bonita descompensada e abaixo do resto das produções da Marvel. Honestamente, eu decidi ver porque eu sou um fã de filmes de Chris Hemsworth, mas no geral eu acho que o filme tem mostrado que as coisas poderia ser feito melhor, tanto em termos artísticos e natureza da palomitero grande passatempo.

    ResponderExcluir